Como sobreviver ao ninho vazio…


ninho vazio

Allegra partindo poucos dias atrás…

Sempre me considerei uma mãe moderna.  Saí de casa aos 18 anos (fui à universidade de Brown nos EUA) e era minha ambição que meus filhos fizessem o mesmo.  Acho positivo, enriquecedor, etc…  Olhava meio com desdém às minhas amigas, mães com filhos mais velhos, que sofriam quando viam os seus partirem.  Mal sabia eu!

Viajo 2/3 do ano.  Os primeiros anos das crianças eu tinha uma maravilhosa ajudante brasileira que virou quase uma avó para eles.  Mas quando ela partiu, logo fiz com que eles se organizassem sozinhos.  Comprei um daqueles mini carrinhos que existem aqui na Europa e com 16 anos já guiavam sozinhos até ao ortodontista!  Deixava a geladeira cheia (além do cartão do Supermercado), uma senhora vinha todos os dias para limpar, lavar, passar e deixar uma comidinha pronta.  Os seus cartõezinhos de crédito sempre repletos com a mesada e lá ia eu…

Lavando o carrinho, que era usado, quando chegou.

Lavando o carrinho, que era usado, quando chegou.

Saindo para a escola sozinhos.

Saindo para a escola sozinhos.

IMG_6977 IMG_6979 IMG_7851

A um ponto eu me senti culpada.  Fui falar com meu analista em São Paulo onde vou em momentos de transição.  Perguntei se estava fazendo mal a eles.  E ele me disse algo que me convenceu: “Você está criando rapazes modernos.”  Mãe moderna = filhos modernos.  Para mim isso funcionava.

Resultado Cosimo (22) e Allegra (20) cresceram independentes.  E apesar de se sentirem italianos – não, Florentinos – quando chegou a hora de escolher a faculdade um decidiu ir a Milão (a universidade de Cosimo em Milão AQUI) e a outra a Nova Iorque (o college da Allegra e a carta que escrevi para ela ano passado quando a deixei no college AQUI).

Milão é mais perto e o Cosimo voltava com frequência nos fins de semana.  Mas quando a Allegra se foi tão longe, e aí eram os dois fora de casa, eu pirei!

Eles também sofrem a nos deixar

Eles também sofrem a nos deixar

Chorei muito, não deixava lavar os lençóis pois queria sentir o cheirinho… Ficava aguardando as ligações, emails, Whatsapp monossilábicos com uma ansiedade de adolescente que espera o namorado ligar!  Devorava os Snaps, Facebook e Instagrams como o pior dos stalkers!… E aquele aperto no coração não ia embora… Então decidi criar regras.

Como muitas pessoas me escreveram dizendo ser parecidos comigo, quis compartilhá-las…

Regras

  • Chore: deixe-se chorar o quanto for.  Se outros te olham estranhamente, vá chorar no banheiro, chuveiro, carro, cinema… onde for!  Para mim essa tristeza tem que sair do sistema para outro sentimento tomar conta.
  • Aprenda a usar as novas formas de comunicação modernas e baratas: FaceTime, Skype, WhatsApp, etc.  Fala-se com o wifi e é grátis.  Alguns até tem vídeo.  A única falha do sistema é se os filhos não estiverem “disponíveis” para falar contigo.
  • Trabalhe ou crie um projeto: Encher o teu tempo com um outro projeto vai tirar a tua cabeça da falta deles.  O crescimento sadio deles foi o teu escopo por tanto tempo, e de repente virou menos laborioso (mas não foi embora, eles sempre vão precisar de ti).  Tem que preencher o tempo com outras coisas.  Mas seja produtivo!
  • Rotina: Ajuda por ser sempre igual.  Distrai.
  • Exercício:  Faça muita ginástica.  Tira aquela ansiedade do corpo e ainda faz bem!
  • Não confunda: a falta deles com outro vazio que você possa ter.  A dinâmica mudou da tua vida, da vida deles, do teu companheiro, da casa, mas os sentimentos não.  E isso tem que ser lembrado sempre!!  O amor não mudou!
  • Namore: Aproveite a nova liberdade!

Botão Vermelho: se a lista acima não bastar, a abaixo vai ajudar

  • shopping
  • VINHO!!!

Rssssss!

Eles são a minha razão de ser, mas estou aprendendo a entender que o novo passo agora, como mãe, é deixá-los voar.  No fundo me dá o maior orgulho!!   Descobri que pensar em mim é o melhor jeito de me distrair… e crescer!

DSC01675

Cosimo indo embora no metro depois de um jantar juntos. A sua familiaridade com um mundo que não é meu, me desestabiliza…

Em tempo:  Ontem a Allegra me perguntou pelo WhatsApp se eu estava brava com ela por causa do tom da minha voz (isso depois de ter ligado 4 vezes e ela nunca ter tempo de falar comigo).  Comecei a responder sobre como estava sentida pois fiz tanto pra ela, e estava sofrendo com a distância e com o fato que parecia que ela não sentia saudades e blah, blah, blah… e no momento de dar o Enter, como em um filme e em câmera lenta me peguei apagando tudo e escrevendo “Não filhinha! Te amo! Boa noite.”
Acho que estou amadurecendo! 🙂

120 Comments

ANA LAURA DIMAS DE FREITAS RABELO
Reply 1 de September de 2016

Muito bom esse post!
Eu tenho muito interesse nesse assunto por ser mãe, claro; e pela Psicologia.
É fascinante perceber como as pessoas podem tirar o melhor de tudo se estiverem conscientes e dispostas.
Parabéns.

beijos,

AL

    Maria Inês Vasconcellos
    Reply 1 de September de 2016

    O texto me caiu como uma luva. Muito sensata a atitude de deletar as queixas . Não seria bom pra ninguém você tê -las enviado.
    Sou divorciada e minha filha única decidiu morar sozinha. Sinto muuuúuita falta dela ,em casa . Às vezes,tenho uns ataques de carência,fico bobinha e entorno o caldo. Não adianta nada e nós duas , minh filha e eu ficamos sempre magoadas e tristes

Regina Vitola
Reply 1 de September de 2016

Super atual!
Curto seu blog, Consuelo!
Tb passo por isso.Só o tempo e olhar para si mesma.

    Karla Carneiro
    Reply 2 de September de 2016

    Como eu esperei por um post assim... a minha filhota já está começando a bater suas asas e eu, divida, pois sei que fiz o meu homework direitinho, uma excelente filha, mas o coração fica bem apertadinho. Obrigada por compartilhar. Bjs

Maria Benincasa
Reply 1 de September de 2016

Ai, ja to chorando!
Mas vc é incrivelmente forte, sensata, corajosa e versatil! O que te da muita carta na manga para quando a deprê tenta se instalar! Ainda bem, pq vc pode dar dicas para quem ainda nao chegou a esta fase!
Muitos bjs da roça, pra encher um pouquinho do espaço que esta sobrando

Andrea - Curitiba
Reply 1 de September de 2016

Uau Cons, vc me fez quase chorar ....Grandes emocoes nesse turbilhao que eh a vida! E que o Salotto te ajude a to go through that! Bjsssssss

Cynthia Marchesan
Reply 1 de September de 2016

Ai...como sou igual a vc, Consuelo.....e eu só tenho uma filha só...que se casou e mudou....aqui mesmo no Rio.....e , constato que a maioria das mulheres e mães, passam por isso...e é vida que segue...saúde e paz para nós todos...bjk

Frederica
Reply 1 de September de 2016

Que lindo post, Consuelo! Quanto às suas sensações, só posso tentar imaginar porque ainda não tenho filhos. Mas, ter alterado a sua resposta à Allegra, é de uma inteligência excepcional! O 'botão vermelho' está demais!! ehehe concordo inteiramente! beijo e bons brindes!

Cristiane
Reply 1 de September de 2016

Perfeito o post!!!
É difícil sentir o ninho vazio, mas já fizemos a nossa parte, e estaremos sempre aqui para quando eles precisarem. E acho que no momento devemos pensar um pouco mais em nós mesmas hahahahahah e ficar feliz por eles seguirem a vida da forma que for melhor para eles ;))

Isabela Barolanto
Reply 1 de September de 2016

Consuelo,
Passo pela mesma situação: a filhota de 25 anos estudando em NY há 1 ano. Todo dia WhatsApp e qdo ela não me responde logo.... Ai fico brava, não escondo....
Adorei mães independentes = filhos independentes
Bjks

Aline Fanti
Reply 1 de September de 2016

Oi Consuelo , maravilhoso seu post! Pena que na pratica é tão difícil ter desapego dos filhos. Eu , como vc tenho uma menina de 20 anos e um rapaz de 22 anos e sinto que criei eles mostrando tds as possibilidades do mundo e que eles acreditassem que poderiam ter seu sustento fazendo o que amam. Enfim eles acreditaram nisso e estão indo em busca . Mas é eu ? Acho que nunca estarei preparada ! 🙌😩😩

iara
Reply 1 de September de 2016

Nossa estou sofrendo com isso , quando meus filhos sairam de casa achei tudo muito natural e fiquei bem, gostei de ficar em casa sozinha cuidando de mim e sem ter muita hora para voltar do trabalho, enfim estava curtindo e muitos me olhavam esquisito quando me perguntavam se eu chorei e respondia que não. Minha filha de 23 anos casou e engravidou, teve que ficar lá em casa de repouso porque o bebê queria nascer antes da hora e assim a criança nasceu , uma linda meninha saudável, gostosa, cheirosa e foi ficando até o bebê completar 10 meses , nesta segunda feira ela foi embora morar no sul e estou com os quatro pneus arriados , fico cheirando a almofadinha dela , engasgada e cheia de saudades querendo todo mundo lá em casa, virei uma vó bobona , babona ,chorona, enfeitiçada , encantada e sofrendo com o ninho vazio!! bjus

Rita de Cassia Sobreira Massoni
Reply 1 de September de 2016

Amei seu relato porque me identifiquei totalmente com a situaçao. Suas regras são mesmo excelentes para sobreviver a esta nova fase de nossas crianças. Adoro suas postagens e matérias. Parabéns Consuelo !

Cátia Martins
Reply 1 de September de 2016

Oi, Consuelo! Fez muito bem em apagar a mensagem...sua filha é jovem, está estudando, tem atividades e amigos que requerem sua atenção...jovens são monossilábicos mesmo e não gostam de mães que ligam e mandam mensagens a toda hora, pois se sentem monitorados à distância...a maioria de nós também foi assim😃...Tente ficar alegre por ela, por seu amadurecimento💋

Katia
Reply 1 de September de 2016

Consuelo,
As coisas que escreves são tão verdadeiras e afetivas que não tem como não se emocionar!!!!
Sou mãe de 2 meninos, fico só imaginando qdo isso acontecer, o quão difícil deve ser, pq por um lado queremos que sejam felizes e independentes, mas por outro serão sempre " nossos bebês"!!!!!
Ser uma "boa mãe", é pensar e escrever o que estamos sentindo, mas na hora de dar o "enter", saber deixar "um pouco" de lado nossas angústias e ansiedades e simplesmente permitir que sejam felizes!!!!!!!
Com certeza teu sucesso está em fazeres as coisas com afeto e emoção!!!!! Parabéns, Te admiro muito!!!!
Bjs

Iara Maria
Reply 1 de September de 2016

Estou vivendo esta experiência pela primeira vez, meu filho está indo estudar na Europa, estou muito aflita, suas palavras foram muito úteis, obrigada por compartilhar experiências.

Beth Brum
Reply 1 de September de 2016

Grande sacada a sua na hora de dar o Enter. Amadurecimento mesmo.
Aprendi mais pouquinho com você. Fique bem. Beijos

Eliana Pires
Reply 1 de September de 2016

Filhos voando significa que crsceram e nós amadurecendo(envelhecendo? ). A minha primogênita escolheu a Coréia do Sul e hoje faz mestrado em Seul. E caçula está entre Alemanha e Japão. A princípio fiquei na dúvida: onde eu errei para eles quererem voar para tão longe? Ou, eles estão tão seguras que são capazes de fazer longos vôos.

Eliana Pires
Reply 1 de September de 2016

Filhos voando significa que cresceram e nós amadurecendo(envelhecendo? ). A minha primogênita escolheu a Coréia do Sul e hoje faz mestrado em Seul. E a caçula está entre Alemanha e Japão. A princípio fiquei na dúvida: onde eu errei para eles quererem voar para tão longe? Ou, elas estão tão seguras que são capazes de fazer longos vôos. Fico com a segunda opção.

Yara
Reply 1 de September de 2016

Querida Consuelo, seremos para sempre " MAMIS Developer"
😍

Roseana
Reply 1 de September de 2016

Noooooossa !! Dei risada agora . Também já me peguei apagando respostas parecidas no WhatsApp e substituindo apenas com a "figurinha " do ❤️‼️.
Os meus bebês tem 30 e 27 , e ainda choro depois de algumas visitas.
Estou a procura de uma "ocupação " prazeirosa para preencher meu coração.
Um bj
Vamos amadurecendo juntas e trocando figurinhas 😉💘

Patricia Falcão
Reply 1 de September de 2016

Li com vontade de chorar.. quando chegou no 1º item das regras: CHORE! Ai desabei...
Muito obrigada pelo post... estou com uma adolescente de 18 anos em casa que quer se livrar de mim o quanto antes...
Isso é tão difícil...
Obrigada pelo post e pos saber que não sou a única a passar por isso.
Bjs,

Aurea
Reply 1 de September de 2016

Olá Consuelo!!!! Desculpa, não consegui ler a matéria, só o titulo me fez encher os olhos de lagrimas.Visualizei as fotos e no final ão teve como...Chorei!!!!

Despedidas não é comigo, choro mesmo!!!!

Rosana
Reply 1 de September de 2016

Querida Consuelo
Como chorei lendo este post! Estou tentando educar Meus filhos (9 e 12 anos ) para serem independentes e globalizados.Em dezembro vamos nos mudar de São Paulo para Cascais PT , e sei que estou no caminho certo !! Mais ao mesmo tempo estou assustada!! Vou lembrar com muito carinho de suas palavras ... Obrigada

Celina
Reply 1 de September de 2016

Oi Consuelo!
Também tenho um casal de filhos. Uma filha de 27 e um filho de 26. Diferentemente de sua situação, meus filhos não procuram ir embora de casa, não se preocupam AINDA com a independência.
Acho que se existe síndrome do berço vazio pode existir a do berço cheio rsrsrs
Acho também tem muita mãe na mesma situação que eu.
É doído ter os filhos longe mas também como vc mesma citou, é importante pra nós termos tempo pra nos preocuparmos somente com nós mesmas.

Maira
Reply 1 de September de 2016

Eita que você me fez chorar com esse post.

Não tenho filhos Consu, mas sei bem como você se sente porque com a minha mãe é sempre igual, moro em Belo Horizonte e ela a 350 quilômetros de distância no interior de Minas, a gente chora quando se fala ao telefone, choramos quando nos visitamos e choramos em dobro quando partimos, acredito que seja difícil pra ela e também pra mim, desvencilhar daquela antiga imagem dos filhos ainda pequenos.

Hoje, ela com três filhos ao todo, (duas meninas e um menino) duas casadas, ela sempre fala brincando que pra ela não crescemos nunca e que se os maridos não nos quiserem mais, que pode nos devolver...acho graça quando ela diz isso, mas consigo perceber o quão para ela é difícil ver que crescemos, que nos tornamos adultas com as nossas próprias famílias e vidas longe dos cuidados dela, no fundo sei o quanto ela se orgulha e fica feliz com as nossas conquistas.

Fique bem, tenho certeza que com o tempo vai ficando mais fácil pra você.

Bjocas

Gladys Ruozzi
Reply 1 de September de 2016

Ola Consuelo, me identifiquei totalmente com o post. Ano passado minha filha foi para o College, moramos nos USA. Sempre criei meus filhos para conquistarem a independência, mas quando voce ve sua filha de 18 anos sair de casa....ai o coração aperta. Levei alguns meses para superar o ninho vazio, mesmo tendo ainda meu filho de 16 em casa, mas em rumo do mesmo caminho. Suas dicas foram perfeitas! Me envolvi muito em meu trabalho como designer e isso realmente foi ótimo! Semana passada novamente despedidas e choros após as ferias de verão. Mas esse ano o sentimento de ninho vazio esta bem mais suave, justamente porque sabemos que eles vão e voltam também. E nada melhor do que ver os olhos de nossos filhos brilharem rumo as conquistas! Um Beijo no seu coração de mãe para mãe.

Rosana Fiedler Buerger
Reply 1 de September de 2016

Lindamente escrito. Afinal estamos cansados de saber que criamos os filhos para o mundo... Mas cheguei à conclusão que passamos tantos anos destinando nosso amor aos filhos, que quando eles não estão mais por perto nem sabemos para onde canalizar tanto amor, não podemos mais abraçá-los quando queremos... Só que aí entra a incrível capacidade de adaptação do ser humano, não é?! Sempre podemos contar com ela.
Bjo gde.

Luciana de Oliveira
Reply 1 de September de 2016

Consu,
Admiro muito o modo como você os criou.
Como você sabe a Bibi ainda é adolescente e também incentivo que voe alto. Ela quer cursar gastronomia aqui e fazer confeitaria fora, talvez Paris ou NY, juro que quando ela fala meu coração fica apertado de pensar, mas me distraio pensando que vamos poder visitá-la. Ainda temos uns bons anos até isso acontecer, mas com você já vou aprendendo o caminho pra acalmarmo coração.

Luciana de Oliveira
Reply 1 de September de 2016

Bjssssss

Gloria Jane Melo
Reply 1 de September de 2016

Em janeiro estarei na Irlanda. Fazendo o que? Esperando meu netinho nascer. Já estou pensando como vai ser triste a volta. Por que este mundo ficou tão pequeno para nossos filhos e tão grande e vazio para quem fica?

Stephanie Soares
Reply 1 de September de 2016

Que alento ler sobre isso... Já disse inúmeras vezes aqui o quanto me identifico com você sob diversos aspectos e, ultimamente, muito a esse respeito - síndrome do ninho vazio -.
Reconfortante saber que não estou só é que haverá "maturidade" no fim do túnel...
Obrigada por sempre compartilhar tanta coisa boa e que nos engrandece a alma.

solange
Reply 1 de September de 2016

tive que comentar.....Consuelo muito legal seu texto,aprendo a cada dia com vc...acho que a parte de vc digitar e por todos os seus sentimentos ali naquelas palavras e em seguida apagar creio que já ameniza a dor achei maduro vc deletar um dia eu aprendo kkkk parabéns falei com vc no snap para vc fazer um vídeo abordando este tema acho relevante e garante que vc judaria muitas mães que estão passando por essa situação eu acrecentaria nas dicas que vc deu terapia acho que ter alguém técnico nesta hora tao sentimental ajuda ne. um bjo meu amor

Francisca Takabatake
Reply 1 de September de 2016

Consuelo, eu espero que quando chegar o meu momento,
que será em breve, eu tenha maturidade pra aceitar a
situação. Já estou pirando!
Obrigada pelo post. Bjs

Anahi Oliveira
Reply 1 de September de 2016

Nossa , Consuelo! Vivi essa situação há dois anos atrás...meu filho foi morar em Weston - Flórida- e eu quase morri...rsrsrs...o vazio é muito grande,mas procurei me ocupar também. Quando ele vem me ver a despedida é sempre muito triste...passo alguns dias chorando, não lavo os lençóis , mas depois passa e ...vida que segue...bjs

Denise Luna
Reply 1 de September de 2016

Lindo, lindo, lindo!!!!!!!!!! As dicas são ótimas e muito eficazes.
Força, amiga, eu te entendo MUITO BEM e parabéns pela forma que você criou seus filhos! Você os criou para a vida. Temho certeza de que eles serão e são muito agradecidos.
Bjs

mirna giampiccolo
Reply 1 de September de 2016

olá Consuelo,
Sou mãe de 2 meninos um de 19 e outro de 23.
Acho que estar longe é muito difícil, mas eles amadurecem muito.
E com namoradas então a gente se sente meio perdida!
mas temos que administrar isto!
beijos

Andrea
Reply 1 de September de 2016

Acabo de deixar minha filhota em Brown.
Beeeeeeem mais dificil do que achava que seria.... Acelerei aa etapas. Estou na fase vinho.

    consueloblog
    Reply 1 de September de 2016

    ahhahah Andrea!!! Mas pelo menos Brown é a universidade mais linda do MUNDOOOO!!!!! hehehe! bjs e parabens! c

Luciana Lajus
Reply 1 de September de 2016

Obrigada! Danke! Thank you! Como é bom ver mães que pensam ( e agen!) cono a gente.... Sinto um orgulho enorme do meu filho ter decidido ir estudar na Alemanha com apenas 16 anos... Vai ficar um ano, tem passaporte alemão... Tudo certo! Mas no quarto, eu choro, choro, choro.... Mas só faz uma semana... Acho que vai passar.... Rsrs! Obrigada por me fazer sentir.... Normal!

Karoline Fernandes Lino da Silva
Reply 1 de September de 2016

Suas palavras... Eu me pego imaginando quando for a minha vez de bater asas...Minha mãe é minha mola para vida (frase dela para eu e minha irmã, ou também quando ela nos diz que não precisa ganhar presentes porque "nós" somos o maior e melhor presente que ela ganhou)... Aí até chorei agora rsss... Pra você Consuelo: "A saudade é uma folha de uma árvore mãe... É como um coração que se enche de amor... É um pássaro que nunca deixa de voltar... Você Consuelou o teu amor para teus filhos.. Tuas preciosidades em forma de luz... Luz que brilha toda vez que pensas neles... Luz que emana dos céus... Acalma, aquieta-te ser de luz... Mulher forte como a flor" Palavras que eu escrevi pra você ficar bem.

Marina
Reply 1 de September de 2016

Consuelo, esse vosso abraço de olhos fechados, diz Tudo. Força! Trouxe-me à memória uma foto de um abraço apertado meu com a minha filha, ela teria Na época uns 10 anos (20 hoje) e que partilhei no fcbk, com a legenda da música de tom Jobim: Quero a vida sempre assim com você perto de mim..! Essas emoções contraditórias, são universais, queremos que os filhos cresçam autónomos, mas que se mantenham no ninho. Adorei as suas regras, é isso mesmo. São ótimos conselhos Ah e o momento do ENTER...quantas vezes Eu já passei :) . Beijinho e xi coração.

Leila Yarid
Reply 1 de September de 2016

Não sou mãe, infelizmente mas, sou tia coruja, morro de saudades de meus sobrinhos que moram longe e, outros que moram perto mas tão distante.
Amo tudo que você escreve e agora sou, também, "snaper" da Allegra bjs

Cristiane Pereira
Reply 1 de September de 2016

Tão lindo você compartilhar momentos e sentimentos tão íntimos e, ao mesmo tempo, comuns a tantas pessoas! Sua relação com seus filhos é maravilhosa! E... também acho que você está amadurecendo, rsrsrs! Bjo!

Evangelina Junqueira de Aquino from Itu , SP Brasil
Reply 1 de September de 2016

Best dica ... escrever muito bem escrito ( pois pôe prá fora ) e daíh deletar ... amando sempre esses queridos e queridas ... levantando vôo ...

Love you ... sábia mulher ...
bj China

Milca
Reply 1 de September de 2016

Consuelo, my dear...this is life....não é fácil deixar nossos filhos partirem, viverem suas vidas longe de nós ...mas nós só vemos eles partirem porque nós os preparamos para alçar vôo... agora, prepare-se quando chegar o momento de se despedir dos netinhos...a dor é muito maior...dizer adeus aqueles anjinhos parte os nossos corações...eu vivo assim...viajando sempre..atrás dos meus amores...filhos...netos..e um amor tardio...

Mara Moraes
Reply 1 de September de 2016

que lindo seu texto, Consuelo: emoção a flor da pele. lindos os comentários, também! não sou mãe. me lembrei do texto do Rubem Alves -http://www.psicologiasdobrasil.com.br/quando-os-filhos-voam-por-rubem-alves/ ( será que abre?). bj

Angelica
Reply 1 de September de 2016

Oi Consuelo
Mais uma vez vc traduziu muito bem o que sentimos, quando temos que deixá-los partir.....agora vc vai amadurecer, só mais um pouquinho, pra saber conviver com os poucos telefonemas , com as ausencias e com a saudade que é imensa....puxa! Ainda sofro muito com tudo isso...e é assim mesmo, escrevemos, apagamos, choramos.... e vamos vivendo..bjos no seu coração

luciene felix lamy
Reply 2 de September de 2016

Lindo! Lindo! Lindo! Emocionante, sincero, real.
Nossa, como a gente tem que ser forte!
Que Deus sempre os abençoe.
Zilhões!!!
lu.

Ruth Mara Sancho
Reply 2 de September de 2016

Exatamente isso .. Criamos filhos com asas par q possam voar alto e retornarem ao ninho quando tiverem necessidades . Ótimas dicas q lembrarei quando precisar.. Está quase chegando a minha hora de ver o ninho vazio..

Gizelli Rampazzo Bowen silva
Reply 2 de September de 2016

Ola consuelo!
Maravilha de texto, meu ninho está vazio também, adorei o botão delete, me peguei fazendo isso várias vezes também! Doeu muito a saída do segundo agora em agosto, mas suas regras são parecidas com as minhas! Como você disse estamos amadurecendo!
Beijos
Gizelli -

Heloisa Pinheiro
Reply 2 de September de 2016

Me emocionei com suas palavras, querida Consuelo! Pois são tão verdadeiras que tocam nossos sentimentos. Achei muito legal sua atitude de compartilhar e, ainda, dar dicas a quem passar pela mesma situação. Por isso você tem toda nossa admiração e carinho. Bjs. Helo.

Cassiano
Reply 2 de September de 2016

Post emocionante... As fotos sua com a Allegra falam por si. Como é difícil a despedida. Até hoje me debulho em lágrimas quando ela acontece... Bjocas estaladas Super C & hang in there dear!

Alda Coutinho
Reply 2 de September de 2016

Estou passando o mesmo com filho unico de 18 anos foi estudar na Holanda no dia 15 de agosto. Também o criei para ser independente, e ele é, até demais. O coração fica dividido, metade um orgulho sem tamanho é uma saudade de tamanho muito maior. Mas, o destino é dele, e será muito bem sucedido. Adorei o q voce escreveu!!!

Adrianne
Reply 2 de September de 2016

Deletar as queixas e deixar o AMOR falar... eita sabedoria!!!!!!!!!!

Silvia Paganelli
Reply 2 de September de 2016

Passamos todas por essa fase, umas com mais intensidade outras com menos, mas tudo igual, rs Estou indo para os EUA visitar minha filhota que já está lá faz 2 anos e meio, não a vejo há dois anos! Estou com uma ansiedade enorme, a saudade só aumenta! Quero curtir cada minuto por lá, ficarei 30 dias acompanhando a rotina dela, viajaremos por uma semana para Flórida e lá será um momento só nosso. Também já apaguei várias vezes alguma mensagem de bronca, trocando por um Eu te amo! Como a gente é rss Tão bom quando temos a certeza dos seres humanos maravilhosos que estão aí crescendo e construindo seu futuro!
Obrigada por compartilhar e dividir com a gente os sentimentos, você é uma querida! Beijos!

    consueloblog
    Reply 4 de September de 2016

    Aproveite muito!!!!! Bjs

Andreia Rodrigues
Reply 2 de September de 2016

Minha filha foi estudar em outra cidade, já se passaram 5 anos, e eu ainda sinto muita falta dela. No começo, eu me senti muito triste e parece que não passava. O que acontece é que ela ainda precisa de mim e o amor continuar enorme! Obrigada por compartilhar da sua vida, traz um conforto saber que as mães passam e sentem o mesmo!
Beijos

Martha Felix
Reply 2 de September de 2016

Adorei o post! Vou fazer um bookmark para ler outra vez daqui a 10 anos e servir de guia! Bj

Ana Rosa
Reply 2 de September de 2016

Adorei seu post. Também vivo isso. Moro sozinha . Meus filhos moram nos USA. Um na Califórnia e minha foi agora para NY. E é assim mesmo. Eles são "muito ocupados", e falam sempre rapidinho. Muitas vezes a gente só quer um "colinho" pela saudade deixada. :( No meu caso então, que no momento estou sem um companheiro, fica mais difícil. Rsssssss . Foi muito bom ler seu post. vejo que não estou sozinha.
bjs

Maria Vilma
Reply 2 de September de 2016

Lindo, lindo, emocionante!!! Não consigo testemunhar coisas assim, sem me desmanchar em pranto...
Amadurecer...aprender a se repartir e se recompor; a ser partes e permanecer inteira...Acho que com o tempo vai ficando mais fácil (?!?).
Um abraço bem apertado, amor!
MaVi

Michelle
Reply 2 de September de 2016

Vou levar esse post pra vida!!!

Mônica Di Creddo
Reply 2 de September de 2016

Seu melhor post, minha querida, afinal os filhos, são o melhor de nós, não é mesmo?
Beijos
Mônica Di Creddo

    consueloblog
    Reply 4 de September de 2016

    No querida, é isso mesmo!!! Bjs e obrigada por passar por aqui! C

Drica
Reply 2 de September de 2016

Consuelo vc vai eh nota mil ! Esse post eh perfeito para nos mulheres, maes e que amam demais suas crias.... temos que amadurecer e ser realememte frtes. Tenho uma filha de 13 e outra de 11 e acho que vou sentir demaisssss a falta delas. Vou me preparar JA !!! Esse post foi demais! bjssss

Carmen Nogueira
Reply 2 de September de 2016

Muito bem, Consul !
Eu também passo por situações semelhantes e me sinto como você, mas aí penso ' mas eu a criei e eduquei sempre para que se desenvolvesse em todos os aspectos e pudesse aproveitar a vida da melhor forma'. . .
E aí percebo que ir buscar as próprias experiências e aproveita-las é TUDO DE BOM! Aí só peço que seu anjo da guarda esteja sempre atento.
"E vamo que vamo"
Bjossss

Adriana
Reply 2 de September de 2016

Oi Consuelo.
Estou com a mesma "síndrome", kkkkk.
Mas ao mesmo tempo que sentimos esse aperto no peito cada vez que eles vão embora, sentimos tb um tremendo orgulho, não é mesmo?!
Bjs c carinho.

Mirela Maria Moretto Moser
Reply 2 de September de 2016

Oi Consuelo! Moro em Blumenau , SC e estou com minha única filha há um ano e meio em Curitiba! Me identifiquei com todo seu sofrimento....
Que bom! Ele é normal!
Realmente a falta de tempo deles é impressionante!
E o que mais eu sinto e me emociono, foi como ela cresceu esse tempo fora de casa, mas sem eu acompanhar! Está firme , objetiva e sabe o que quer!!
Os papéis começaram a se inverter....
Antes tudo era mãe como eu faço?
Agora , eu que preciso e questiono ....
Muito difícil! Mas quero que ela vá e tenha um futuro brilhante! Por que em breve vai a Alemanha estudar! Haja coração!

Cris
Reply 2 de September de 2016

Amei seu post!! Lindo. Lindo! Lembro de uma vez a Allegra ter ficado em NY nas férias... lembra-se? Acho que era um camp de reatro e vc escreveu no insta ... O q mais gosto em vc é a sinceridade, vc fala com a alma!!! Sinto exaramente o mesmo com a minha filha. A passarinja (lembro q vc escreveu assim) e eu achei que era um misto de passarinha com Anja rs! mas foi um erro de geafia rs!E eles são isso mesmo, nossos Anjos, passarinhos que voam, mas sempre estão pertinho pq nunca saem dos nossos ❤️

Lucinda Furtado de Oliveira
Reply 2 de September de 2016

Estou nessa situação:ninho vazio.Minha filha mais velha ficou por anos fazendo mestrado e doutorado na USP e eu aqui,com minha caçula,chorando sempre.Depois,Fabíola( que fazia doutorado) voltou e foi a vez da caçula (Fabiana) ir e ficar em São Paulo(aprovada em concurso público).Resultado: vou chorar sempre.Meu marido e eu fazemos viagens constantes a São Paulo para visitá-la,como fazíamos no tempo de Fabíola.Morro de saudade da minha netinha,Raquel.

Sheila Lopes
Reply 2 de September de 2016

Ah, Consuelo! Que bom ler o que você escreveu e saber que não fui só eu a sentir isso. Quando meu filho foi morar em São Paulo, sou de Natal, e casou, senti uma sensação forte de algo se desgarrando de mim. Levei um grande susto, porque, como você, criei meus filhos para voarem, mundo afora. Quando a saudade bate forte, ainda dá aquela vontade de chorar, mas, também muito orgulho pelo crescimento dele. E uso essas estratégias, novos planos, viagens, um vinhozinho e encontros com amigos.

Marianna Aloi
Reply 2 de September de 2016

Consu, adoro seu blog, insta, snap, suas dicas... Fã mesmo!
Gostei muito desse texto e no meu caso é ao contrário! Sou a filha (28 anos) que tá aprendendo a desgrudar da barra da saia da família. Dá uma sensação de abandono, sei lá... E suas dicas valem pra esses casos também!
Obrigada, linda!
Bacio <3

Lorenzo Scapuccini
Reply 3 de September de 2016

Distancia é coisa complicada!
Estou emocionado com este post....minha mae sempre morou em NY , pai em Milao e avós no Brasil, passei parte do tempo com um, parte do tempo com outro, mas o coraçao nunca esteve em paz, sempre dividido. Agora um pouco mais velho que Cosimo finalmente me dei paz e começei a aceitar que a vida é assim, cheia de chegadas e partidas; e que estas me proporcionaram uma incrivel independencia (inclusive emocional), mas a saudade, querendo ou nao, desestabiliza!
.....E dá uma dorzinhaaaaaaaaa!
Stay strong Consuelo.

Andrea Martins
Reply 3 de September de 2016

Parece que esse post foi feito pra mim! Moro em Torino, norte da Itália, e há um mês meu filho de 23 anos se formou e voltou pro Brasil. Minha filha de 19 anos faz faculdade em Londres e voltou hoje pra lá. Não paro de chorar, olho os quartos deles e tenho uma sensação de perda irreparável. Nunca pensei que seria tão difícil.
Colocarei as regras em prática, com esforço e perseverança. Sou jornalista, sempre trabalhei no Brasil e me considerava também uma mãe moderna. De repente me descobri uma mamma das mais apegadas e antigas. Quanto amor.

    consueloblog
    Reply 4 de September de 2016

    Realmente!!! Escreva, escreva muito! Faz super bem!! Bjs

Magali
Reply 3 de September de 2016

Nossa eu me emocionei com seu texto, e realmente não deve ser fácil mas a vida é gratificante , emoções alegrias a vida é linda mesmo nos momentos de lágrimas em todas as estações da vida. Grande abraço Consuelo, sou muito sua fã acompanho sempre seus post seu snapchat que é maravilhoso viajo junto contigo!. Meu nome é Magali sou de Blumenau Santa Catarina .

ROSÂNGELA DIAS
Reply 3 de September de 2016

Consuelo, conheço a dor da separação. No meu caso, não foi um até logo, foi um adeus, até o momento que Deus me chamar também. O ninho vazio é entristecedor. Tenho buscado muitas das coisas que vc enumera, dentre elas, a busca agora por um negócio próprio, pra ocupar-me, tenho esta necessidade.
Beijo e fique com Deus.

Dinha
Reply 3 de September de 2016

Lindo texto. Por mais que criemos eles para o mundo nunca estamos preparadas quando eles vão. Senti por ser mãe, mesmo meu filho saindo de casa apenas para dormir na casa das vovós porque tem apenas 3 anos. Passa tão rápido que já às vezes sofro.

Marina Di Lullo
Reply 4 de September de 2016

Consu querida, queria ter uma palavra mágica, pra amenizar essa falta e te tirar um sorriso. Encontrei uma poesia, que também é uma canção e que fala do amor:
O VELHO E A FLOR Por céus e mares eu andei, Vi um poeta e vi um rei Na esperança de saber O que é o amor. Ninguém sabia me dizer, Eu já queria até morrer Quando um velhinho Com uma flor assim falou: O amor é o carinho, É o espinho que não se... - Vinicius de Moraes http://pensador.uol.com.br/frase/MjExMzc/

    consueloblog
    Reply 4 de September de 2016

    Vc é linda demais minha flor Marina!!! bjs c

      Marina Di Lullo
      Reply 5 de September de 2016

      Obrigada, querida Consu!! Beijos

Marina Di Lullo
Reply 4 de September de 2016

Beijos e abraços, Marina

Marilia Escobar
Reply 4 de September de 2016

Adorei seu post! As dicas sao otimas! Tambem tenho um filho na universidade em Boston e a mais nova prestes a partir para Inglaterra. Sei que quando ela for e o ninho ficar realmente vazio, sera mais dificil do que quando o mais velho foi ha 3 anos atras. É estranha essa sensação de nao estar mais proxima no dia-a-dia deles. Lembro que no primeiro ano do Daniel em Boston eu checava a que horas ele tinha acessado pela ultima vez o WhatsApp para saber que horas ele tinha ido dormir (rsrsrs!).
Mas tal como voce, olho tudo com muito positivismo, focando nas novas oportunidades que esse momento das nossas vidas nos apresenta. Estou tranquila, sei que eu e meu marido demos a eles a base necessaria para serem independentes tanto nas coisas praticas como no lado emocional.
Como dizia minha mae: "filho a gente cria pro mundo".

    consueloblog
    Reply 4 de September de 2016

    Ah adorei a dica do Whatsapp!! Obrigada"! bjs c

Priscila Nisidozi
Reply 4 de September de 2016

Ah Consuelo... que post lindo!!! Com tao pouco (poucas palavras) vc nos ensina tanto! A gente esta a todo momento aprendendo e melhorando como pessoa, ne? Isso e incrivel! Posso imaginar seu coracao de mae porque tb sou mae... mas assim e a vida, ne? Tem uma hora que eles voam mesmo, mas como eu fiz o caminho inverso (eu fui morar fora do Brasil) posso dizer que nos sempre sentimos muuuuuuitas saudades dos nossos pais, familia e de todos os momentos juntos (e tb sofremos muito, tanto quanto eles), so preferimos nao dizer para nao deixa-los tristes e sentidos... entao pode ter certeza que nao e diferente com seus filhos... e talvez eles ate pensem como eu e nao querem te preocupar dizendo o quanto a saudade doi...
Bjs

Diene Ludwig
Reply 5 de September de 2016

Guria, tu me fez chorar!
E os meus filhos têm só 7 e 11 anos.
Adoro teus posts.
Grande beijo!

consueloblog
Reply 5 de September de 2016

Tô aqui aos prantos com tantas mensagens lindas!!! Muito obrigada Salotto!!!!! Vcs são DEMAIS!!!!
bjs
c

Sandra Martins da Rosa
Reply 5 de September de 2016

Consuelo, é mesmo muito sofrido este momento. Tenho três filhos, adultos e todos moram fora do Brasil. E agora tenho uma netinha com quase dois anos, que é a alegria de todos nós pois, depois do pai dela, foi o primeiro bebê a nascer na família e, uma menina! Sinto muita saudade deles, sem dúvida, mas com todos os recursos que temos à disposição atualmente, parece que ficamos menos distantes. Bem diferente da primeira vez, quando, na década de 1990, eles foram viver nos EUA e somente o telefone era o meio de comunicação disponível! Ali, realmente, eu senti um grande vazio e uma dor sem tamanho; achei que não fosse aguentar! Mas tudo passa e aquilo também passou; eles voltaram e depois, em outro momento, foram novamente, cada qual em seu tempo e agora que estou aposentada, posso visitá-los mais frequentemente. Mas, sem dúvida, seria melhor tê-los mais perto. rsrs. Um abraço

    consueloblog
    Reply 5 de September de 2016

    Eu fui na década de 80, também só telefone fixo!... ainda bem hoje tem mais formas de comunicação! Senão pirava! bjs c

Rosileia Real
Reply 5 de September de 2016

Olá, querida!
Entendi perfeitamente a sua "Síndrome do Ninho Vazio", pois quando minhas "meninas" (35, 34 e 32 anos) faziam faculdade, ao mesmo tempo, em outras cidades, me sentia exatamente como você no final das férias. Me acostumava com companhia para os cafés, para as compras na cidade, com a casa cheia de amigos e namorados, com a presença, os cheiros... E de repente, era hora de voltar! Quando elas foram embora, voltei a estudar, fiz faculdade, passei em um concurso público. Não foi fácil, mas valeu a pena cada minuto de saudade! Posso te dar a boa notícia?!? Hoje estão formadas, casadas e com filhos...Elas voltaram! Mais experientes, mais amigas, mais maduras e são mulheres plenas, realizadas! Sabe o que mais aprendi recentemente? Depois de descobrir um câncer no comecinho deste ano, em uma semana minha vida virou do avesso. Fui operada, perdi um rim, quase morri de angústia esperando a biópsia. Elas quase morreram diante da possibilidade de me perder... Li em algum lugar, que a boa mãe é aquela que se torna desnecessária, prescindível... Calma! Tive um bom prognóstico, Deus me ama muito e eu amo a vida, minha família e meus amigos ( você também faz parte deste rol. Apesar de não me conhecer, aprendo muito com você. Adoro sua alegria de viver, muito parecida com meu jeito de ser, sou alegre e muito grata por tudo que a vida me dá!) Allegra e Cosimo são lindos e filhos maravilhosos, porque você é também maravilhosa, é MERECIMENTO! Sabe quais são os presentes que chegam depois? Os netos! Eu nunca pensei poder amar mais ainda! São os brindes da vida. Morro de amores! Fique bem, querida! É só questão de tempo, tudo passa e eles voltam! Bjo....

    consueloblog
    Reply 6 de September de 2016

    Q DELICIA de comentário!!! E parabéns pela tua luta! Adorei vc me dar as boas noticias q voltam, dos netos (parece ser unânime nos comentários essa) e o teu prognostico!
    bjs
    c

Silvana
Reply 6 de September de 2016

Meu filho acabou de chegar de um intercâmbio na Inglaterra, ficou 1 ano, eu senti muito a falta dele , mas dá impressão que eles nem lembram da gente rsrsrs , ele voltou algumas vezes para o Brasil e sempre era um momento muito difícil de me despedir , mas agora ele já está por perto por enquanto , até entrar na faculdade e se mudar novamente rsrs

Márcia Rodrigues
Reply 6 de September de 2016

Olá, não deve ser fácil. Tenho só uma filha, completa 17 anos dia 20 de dezembro. Se forma no ensino médio agora também, e já disse que quer cursar faculdade fora do Brasil. Eu sempre dei a maior força, mas agora que está chegando a hora, penso que vou pirar rsrs. Só de pensar na minha pequena longe é horrível. Sinceramente não sei o que fazer.

    consueloblog
    Reply 6 de September de 2016

    Leia todos os comentários!! Vai ver q sobrevivemos, com orgulho, mesmo que difícil!
    bjs
    c

Mariane
Reply 6 de September de 2016

Não só as mães que sofrem, nós filhos também sofremos quando saímos do ninho. Em outubro vai fazer 1 ano que saí do Brasil e vim para a Eua. Sentimos à falta de estar em casa,no nosso "conforto" sinto saudades dos meus pais e do meu irmão,mas procuro não demonstrar prq também sei q eles sofrem com isso. Eles tiveram que aprender a usar o Facebook e Skype pra gente conversar pelo menos uma vez na semana. É difícil para todos.

    consueloblog
    Reply 6 de September de 2016

    certamente!!!! bjs c

Lucia Ramos
Reply 7 de September de 2016

Felizes vocês!
Em 2009 minha filha casou e foi morar em Londres, depois de ter passado dois anos em NY.
Em 2010 perdi minha segunda filha, inesperadamente! Pensei: nada mais, o chão se abriu e percebi o quanto atravessar o oceano era fácil, difícil é sobreviver à partida, de fato.
Viver é um ato de coragem.

    consueloblog
    Reply 7 de September de 2016

    Lucia, exato! A cada dia! E vc é uma linda guerreira!!
    Um abraço carinhoso!
    c

Fernando Dantas
Reply 7 de September de 2016

Consu, às vezes, ao conversar com meus amigos sobre pais, e nossas vidas, como vida acadêmica que muitas vezes influencia a distância entre pais e filhos. Penso na saudade que um dia vou deixar na minha mãe, no meu pai, mas principalmente nela. Pois somos muito conectados, somos parecidos fisicamente e também na personalidade. Nossos gostos musicais são um dos pontos mais fortes, assim como o humor, o BOM humor que espalhamos onde estamos. Então, eu tenho a vontade de ter minha casa, minha rotina, minha vida, e tenho vontade de mudar de cidade, não que não goste daqui, Campos, RJ, mas o fato é que vejo que minha mente é muito aberta para investir minha vida por aqui, e então tenho vontade de estar em outro, outros lugares, morar um tempo fora, eu sou cheio de planos e ideias na minha cabeça, uma pessoa meio que... "inquieta". Com isso imagino a falta que vou fazer a minha mãe e vice-versa, um sentimento incontrolável, e isso me causa querendo ou não um prévia dorzinha no coração kkkk, mas, é a vida! Um beijão, e adoro seu trabalho!

    consueloblog
    Reply 8 de September de 2016

    Não faça dela a tua âncora!... Ela nunca irá te perdoar! ;-)
    bjs
    c

João
Reply 7 de September de 2016

Tenho 22 anos e chorei com esse texto... Uma mistura de identificação e projeção, dos dois lados.

    consueloblog
    Reply 7 de September de 2016

    Ah meu lindo!!! bjs c

PRISCILLA CARDOSO
Reply 8 de September de 2016

Olá Consuelo, adoro seus textos e este em especial nos faz refletir MUITO!
Como filha, sempre me pego pensando em será que vale a pena ficar tão longe dos meus pais? Mas a resposta logo vem: SIM! Pois desde pequena fui criada para batalhar pelos meus sonhos e seguir um caminho, muitas vezes tortuoso, mas que em todos eles contei com a ajuda dos meus pais! Morar fora de casa é maravilhoso, enriquecedor, mas sempre lembramos de vocês (mães) e principalmente naqueles dias em que estamos doentes e só queremos a sua sopa, naqueles domingos em que tenho que almoçar com um amigo e me lembro da casa da minha mãe, sempre cheia e farta! A vida nos preenche com novos desafios, nunca são fáceis para se adaptar, mas logo tudo se encaixa!

    consueloblog
    Reply 8 de September de 2016

    Priscilla, vc é muito bacana! Obrigada! bjs c

patricia osti
Reply 3 de November de 2016

Que texto bacana Consuelo! A cada texto teu que leio admiro mais sua pessoa. Vou mostrar suas palavras para minha mais que está passando pelo esvaziamento do ninho agora. Um grande beijo e continua enriquecendo nossos dias com suas palavras tão sábias.

    consueloblog
    Reply 3 de November de 2016

    obrigada patricia!! bjs c

fabiane freiberger
Reply 29 de November de 2016

estou tentando seguir seus conselhos ... levei minha filha este ano para estudar no Texas .. achei que seria super tranquilo deixar-la ... mas quando dei a meia volta e entrei no aviao ... meu Deus, o mundo ficou pequeno e passei dias com um sentimento vazio dentro de mim... passaram 6 meses e agora estou esperando ela para as ferias de dezembro - 15 dias somente. Mas me sinto agradecida de conseguir dar esta oportunidade para ela, e para mim tambem. Uma experiencia muito grande, mas estamos aprendendo a viver na distancia ...

    consueloblog
    Reply 29 de November de 2016

    A vida é um continuo aprendizado! E as conquistas dela são um presente para nós!
    Parabéns! bjs
    c

Gisele
Reply 29 de November de 2016

Sou moderna , independente e viajada . Fui mãe tarde e hoje minhas filhas tem 12. Me apavoro com o ninho vazio . Sou sua fã faz 4 anos quando fui a Londres com minha mãe e segui suas dicas . Bjo e visite Floripa !

    consueloblog
    Reply 29 de November de 2016

    Tô louca pra ir a Floripa!
    bjsc

Madelon
Reply 29 de November de 2016

Eu sou a filha... e quando decidi sair do Brasil, minha mãe para não pirar resolveu voltar a estudar... Isso me deixou muita mais tranquila e quando nos falavamos tinhamos varios assuntos interessantes. Quando um na familia muda, a familia toda muda junto. Bjs

    consueloblog
    Reply 29 de November de 2016

    ADOREI essa dica!!! que legal! Parabéns a esta família especial! bj s
    c

Léia Cook
Reply 30 de November de 2016

Ai nem me fale...o meu está a quase dois anos no Rio, moro em Floripa. Esses dias fui visita-lo, voltei chorando no avião do Rio até aqui. Não me acostumei ainda.

Ele é independente, um rapaz inteligente e forte, engenheiro, trabalha numa das melhores empresas de engenharia de software do Brasil. Mas ainda lembro dele mamando no meu peito, ainda o sinto meu bebê.

Essa vez resolvi com muita caminhada. Dois dias depois estava recuperada...mas só de escrever isso já desabo!

Sou muito independente, sai para estudar fora aos 17 anos tb, criei meus filhos para o mundo...não consigo entender esse meu sentimento. Tenho até vergonha!

    consueloblog
    Reply 5 de December de 2016

    Me sinto do mesmo jeito!! bjs c

Silvane
Reply 12 de February de 2017

Apesar de atrasada ( o post foi do ano passado), estou abismada como tantas pessoas passam pelo mesmo processo. Eh tao bom poder compartilhar uma dor. Os meus gemeos saem juntos, ano que vem e jah estou sofrendo. Ufa, nao sou a unica.
Tenho consciencia de que, para eles, nao tera coisa melhor, o "problema" sou eu e nao os culpo por isso.
Agora, preciso achar o meu desejo, que por anos ficou adormecido pelo fato de precisar cuidar deles. Nao sei mais o que gosto e o que quero, e essa eh a minha maior angustia. E agora? O que quero fazer? Por onde comecar?
Vamos que vamos, fazendo terapia e tentando achar as respotas. Uns dias bons, outros ruins, mas a minha busca tem que continuar.
Consuelo, obrigada por expressar aquilo que todas nos sentimos e muitas vezes, nao temos com quem dividir.
Sucesso para todas nas buscas pessoais de cada uma. Bjs

    consueloblog
    Reply 13 de February de 2017

    Querida, imagine q lindo orgulho vc vai sentir deles e de vc por se encontrar. Doi? Sim, mas a gente sobrevive! É mais uma fase da vida!!
    Respire fundo, e pense nonq vc tem.
    Bjs c

Magda
Reply 22 de February de 2017

Incrivelmente para mim está sendo o inverso. Fiquei viúva muito cedo, com meus dois filhos pequenos, um de 4 anos e o outro de 4 meses. Resolvi dedicar-me o possível à eles, durante todo o esse tempo de crescimento, mas sempre precisei trabalhar para mantê-los.
Sempre soube e desejei investir nos meus filhos para que eles fossem adultos felizes, na medida do possível, mesmo sem o pai presente, mas tentando ser uma mãe "suficientemente boa".
Hoje , Pedro tem 23 anos e Rodrigo tem 19. E são MARAVILHOSOS, em todos os aspectos.
E agora sou eu que estou saindo de casa , por um tempo , para estudar e viver na Itália. Meu coração dói! Acho que muito mais do que eles, mas também preciso, e ainda posso realizar projetos que ficaram adormecidos.
Vou ficar longe deles, fisicamente, por um tempo.
Mas não posso falar de ninho vazio, mas de uma mãe que esperou seus filhos voarem para poder fazer seu voo solo.

    consueloblog
    Reply 22 de February de 2017

    Que linda história Magda. Acho q por personalidade e por necessidade, vc conseguiu se entender profundamente. Com a consciência que o teu tempo chegaria! Tenho certeza que os meninos estão agradecidos, mas mais q tudo, orgulhosos e felizes q vc vai concretizar o teu sonho! O que vc vai estudar? bjs c

      Magda
      Reply 23 de February de 2017

      Cara Consuelo!

      Vou aprofundar meus estudos na língua italiana. Quero fazer doutorado em Direito na Itália,e para isso, preciso dominar a língua. Em marzo estarei em Firenze estudando italiano no Centro Fiorenza, morando sozinha em um apartamento e vivendo sozinha .
      Adoro teu jeito de escrever e tua naturalidade ao falar de ti e da tua vida....muita inspiração !!!!
      Um baccio e buon carnevale!!!!!

        consueloblog
        Reply 24 de February de 2017

        Oi Magda! Boa sorte! Já vou adiantando algo que também errei muito... baci é com um "C" bjs c

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *